Palavras ao Vento Literatura

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Uma Esperança.

Neste momento que desenho meu anseio
Refaço meus pensamentos sem receio
De algum dia te reencontrar e calar meu desejo
Sem sufocar o belo instante, “do segundo” a lhe amar.

E assim...
Continuo a caminhar sem a este verbo conjugar
Observando nas linhas das entrelinhas
A oferta ao dia a dia a me sufocar
Contemplando um palco a me apresentar.

E se ele representa um teatro vital em esfera universal
Desnudarei a essência irreal
Lapidarei o amor surreal
Compartilharei com modéstia sem nenhum mal.

Chego à conclusão sem ira ou raiva:
Do hoje, que terá passado com amarguras,
Do amanhã, tornando-se presente do agora ausente,
Infelizmente, ultrajado por suaves lembranças,
Das melodias enaltecidas pelas falsas andanças.


Texto: Roberto Mello
Imagem: wernerpallentin